Translator

domingo, 17 de julho de 2011

Armadores fecham acordo e criam nova linha para Santos


Os armadores CSAV e MSC entraram em acordo para a
operação conjunta de linhas de navegação para o transporte
de cargas em contêineres. Um dos novos serviços ligará a
América do Sul ao Oriente Médio, com escalas no Porto de
Santos.

A parceria envolve serviços entre o Norte da Europa e a

Costa Oeste da América do Sul; entre a Ásia e a África do
Sul; entre a Costa Leste da América do Sul e o Oriente Médio;
e entre a África do Sul, o Oriente Médio e a Índia.

O fechamento do negócio, que poderá durar três anos, foi

anunciado pela CSAV nesta sexta-feira à tarde. “O acordo
expandirá nossa cobertura nesses mercados, melhorando os
prazos de transporte e a frequência de navios, possibilitando
oferecer um serviço melhor para nossos clientes”, comunicou
o armador chileno, que deu ênfase a sua “visão positiva em
relação ao crescimento econômico futuro e ao desenvolvimento
desses importantes mercados”.

A nova linha que passará pela Costa Leste da América do Sul
terá escalas semanais, começando no início do mês de
agosto. Envolverá duas pernas. Na primeira, utilizará 8 navios,
com capacidade para 5mil a 6 mil TEUs, escalando em Suape,
Santos, Buenos Aires, Rio Grande, Navegantes, São Francisco
do Sul, Itaguaí, Suape, Las Palmas e Valência, além dos portos
do Oriente Médio, que ainda não foram revelados.

A segunda rota terá cinco embarcações, cada uma com
capacidade para 4 mil a 5 mil TEUs, passando pelos portos
de Salvador, Santos, Rio de Janeiro, Navegantes, Paranaguá,
Rio Grande, Santos, Las Palmas e Valência, além dos
complexos do Oriente Médio.


A CSAV contatou também a francesa CMA CGM para uma
parceria deste tipo,mas nada foi firmado – ou pelo menos
anunciado por enquanto.


Mercado

O anúncio é feito num momento difícil para a navegação
global. Pois alguns armadores, entre eles a própria CSAV,
cortaram serviços em outras rotas devido à alta oferta frente
à baixa demanda em determinadas regiões do globo.
Com uma grande oferta, o movimento no mercado foi de
retração dos preços, o que motivou os ajustes de rotas. O
ano difícil foi previsto pelo segmento devido à crise
econômica na Europa, o acidente nuclear no Japão,
conflitos locais no Egito e na Síria e desastres naturais na
Austrália.

A despeito das dificuldades previstas pelo mercado, a

confiança no futuro tende a continuar norteando os
investimentos em novas embarcações. É o que sinalizou a
CSAV no início deste mês, ao concluir uma captação de
US$ 430 milhões com a venda de ações. A capitalização
deve dar sustentação ao plano da companhia de adquirir
nove navios até o próximo ano, aumentando dos atuais
41 mil TEUs de capacidade flutuante para 104 mil TEUs,
segundo informações divulgadas pelo jornal chileno Diario
Financiero. O investimento total chegará, a US$ 1 bilhão.


Fonte: A Tribuna
Postar um comentário